Coluna Funcional Estática e Dinâmica




 

image.png

Vamos entender melhor esse conceito da estabilidade descrito por Paul Hodges. 

Segundo Kapandji, na coluna possuímos as cifoses e as lordoses, curvaturas alternadas para funções distintas.

As cifoses têm a função de proteção dos nossos principais órgãos e servem como pontos fixos para que os músculos realizem os movimentos nas lordoses.

Essas curvaturas estão presentes para distribuir de forma considerável a forca de compressão axial (forca gravitacional).

Existem dois tipos de colunas: a do tipo funcional dinâmica e a do tipo funcional estática.

Coluna do tipo funcional estática é definida como uma coluna com suas curvaturas menos marcadas. Ou seja retificada. Esse tipo de coluna tem seu equilíbrio muito precário, com o indivíduo  muito mais susceptível à quedas, pois quanto menor a mobilidade, menor a estabilidade, e menor equilíbrio e como resultante mais quedas.

Coluna do tipo funcional dinâmica possui curvaturas mais móveis, acentuadas com maior mobilidade, e, portanto, mais susceptíveis à lesões.

Logo temos aqui um dilema, nossa coluna, deve ser estável o suficiente para suportar a forca gravitacional, e móvel o bastante para ser flexível. E se essas curvaturas forem equilibradas, menos chances de lesões.

Nesse final de texto, vou te fazer uma pergunta: você já estou a biomecânica do Pilates? Você sabia que Dominar a Biomecânica irá promover uma transformação radical na sua visão do Pilates e um incrível salto em qualidade nas suas aulas? Conheça esse curso online sobre Biomecânica do Pilates que tem conteúdo para você mudar o patamar da sua carreira. Clique aqui!



Comente:

Nenhum comentário