Para que serve a auto liberação miofascial no Pilates






Resultado de imagem para liberação miofascial no pilates


Alguns clientes se queixam de tensões musculares e outros, os profissionais por terem um bom olhar clínico, conseguem observar certos desequilíbrios musculares. Se no Pilates diminuímos as tensões e dores, por que não trabalharmos com esses clientes em nossa sala de aula? Para isso precisamos entender como o processo de tensão muscular acontece.

O tecido conjuntivo que envolve os músculos são bem duros e abraçam as fibras musculares fortemente, dependendo do corpo Isso pode comprimir a expansão e o crescimento das fibras musculares. Para ocorrer à hipertrofia muscular, a fáscia (tecido que envolve seu corpo) precisa estar alongada e maleável para deixar as fibras musculares se expandirem, o que não acontecerá por conta de encurtamentos e tensões.

Estudos comprovam que o tempo recomendado é de 5 minutos de auto liberação miofascial para diminuir a densidade do músculo, o modo como o músculo responde aos estímulos aumentando a densidade do tecido conjuntivo. Sempre a liberação é seguida de alongamentos estáticos e por fim aquecimento dinâmico. A partir disso aplicamos a preparação para o movimento e a execução do exercício propriamente dita. Esse processo não tem tempo determinante uma vez que a tensão muscular pode estar sendo ocasionada por insegurança após trauma causado por algum acidente.

Diversas condições que afetam o aparelho motor influenciam diretamente o componente neuromuscular, gerando quadros complexos de dores localizadas e irradiadas para outras regiões. Quadros como os de hérnia discal lombar, por exemplo, provocam sintomas locais e irradiados ao longo de membros inferiores. Como consequência, encontra-se o envolvimento de nervos, músculos e fáscias nesse trajeto. Logo, estima-se que a completa reabilitação desse quadro, consiste no tratamento das estruturas envolvidas, diretas ou indiretamente.

COMO TRATAR?

Através de atos sensoriais, cognitivos e emocionais! Basicamente isso se resume em: o que os clientes sentem em seus corpos, o que pensam que está acontecendo com eles e como se sentem sobre o que está acontecendo. Cada dimensão pode ser uma barreira ou um facilitador para sua recuperação.

Os princípios de um bom tratamento são:

1) Liberação da barreira principal;

2) Alinhamento postura correta, mudança de estratégia postural;

3) Nova estratégia neuromuscular;

4) Elaboração de movimentos e tarefas posturais ou a construção de um movimento de acordo com as atividades diárias do cliente.

Um profissional qualificado vai sempre encontrar estratégias para mudar e avançar os benefícios aos seus clientes, ou seja, capacitá-los através do conhecimento, movimento e consciência corporal.

Publicada 24/01/13
Revisada 25/04/19


Comente: