Pilates em Pacientes com DPOC






Já é de conhecimento geral que a prática de Pilates traz benefícios não só na melhora da biomecânica do movimento mas também à patologias de ordem osteomuscular. O Método Pilates influi em aspectos fisiológicos importantes que podem vir a gerar benefício à saúde do sistema cardiorrespiratório.

O princípio da respiração do Método Pilates exige uma expiração máxima durante os exercícios. Essa expiração máxima é realizada através dos músculos abdominais superficiais, que são ativados durante a realização dos exercícios do Pilates, principalmente do músculo reto abdominal, justificando, assim, o aumento da força muscular expiratória nos praticantes do método [11]. Ademais, os exercícios que visavam ao fortalecimento direto da musculatura abdominal superficial também contribuíram para o aumento observado na Pemáx, visto que os músculos abdominais superficiais são os principais músculos expiratórios em uma expiração forçada.

O fortalecimento dos músculos abdominais superficiais não contribui apenas para aumentar a força dos músculos expiratórios, mas também é importante para melhorar o desempenho do diafragma, principal músculo inspiratório. O aumento no tônus dos músculos abdominais fornece estabilidade proprioceptiva à parede abdominal durante a incursão do diafragma no momento da inspiração, de forma que seu centro tendíneo consegue se apoiar nas vísceras abdominais e gerar uma amplitude de movimento maior. Isso faz com que o aumento dos diâmetros cefalocaudal e transverso do tórax sejam mais acentuados durante a inspiração, contribuindo para uma maior amplitude de movimento. Esse fato é particularmente importante nos indivíduos portadores de DPOC em virtude da retificação do diafragma que eles apresentam ocasionada pela hiperinsuflação pulmonar .

Os exercícios da prática de Pilates promovem também o alongamento da musculatura respiratória e músculos acessórios da respiração melhorando a mecânica respiratória.

Eles são realizados nas mais diversas posições, através do trabalho de membros superiores, membros inferiores e tronco irão promover melhora da circulação periférica e central favorecendo o retorno venoso e trazendo muitos benefícios ao sistema cardiovascular.

Isto ocorre devido a contração de todos os músculos desde o centro até as extremidades ocasionando maior bombeamento muscular.

Em pacientes iniciantes não-condicionados, com a função cardiorrespiratória debilitada, ou hipertensos o ideal é que os exercícios de Pilates sejam realizados com tempo de descanso entre os exercícios, evitar posições invertida, exercícios multiarticulares, isometrias e trocas de decúbitos para posição em pé.

Outra característica importante do Pilates é o recrutamento, através da respiração, de fibras de músculos profundos, que, juntamente com a contração abdominal que sempre é solicitada, são os principais fatores responsáveis pelo trabalho de centralização e controle do corpo. Os exercícios do Método Pilates executados na presente pesquisa utilizam a inspiração para preparar o movimento e, em contrapartida, a expiração é utilizada para trabalho do abdome, através do recrutamento dos músculos expiratórios, incluindo transverso do abdômen e oblíquos interno e externo.

O Método Pilates pode determinar uma melhora significativa da função pulmonar de indivíduos portadores de DPOC igual a fisioterapia respiratória, aumentando significantemente a mobilidade torácica na região apical, reduzindo a limitação ao fluxo expiratório e aumentando a força muscular respiratória tanto inspiratória quanto expiratória.

Use e abuse do Pilates para pacientes com DPOC!


Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui




Comente:

Nenhum comentário