Treinamento Sensório Motor – Equilíbrio Funcional em Idosos Praticantes do Método Pilates: Uma Revisão de Literatura





O aumento da expectativa de vida é um fenômeno que vem ocorrendo em diversos países do mundo, inclusive no Brasil. Esse fenômeno aliado à diminuição da taxa de fecundidade vem resultando no envelhecimento da população. No país, o processo de envelhecimento tem se desencadeado com grande rapidez, modificando o perfil populacional. Essas mudanças implicam no surgimento de várias demandas de ordem social, econômica e de saúde, que precisam de atendimento efetivo por parte do Estado, e da sociedade em todos os níveis (ALENCAR et al., 2011).


O envelhecimento é concebido como um processo irreversível que tem início a partir do nascimento e perdura até a morte, sendo caracterizada pelo declínio das funções biológicas da maior parte dos órgãos, como a redução do fluxo renal, do débito cardíaco, capacidade dos pulmões, dentre outros (MORAES; MORAES; LIMA, 2010).

O envelhecimento fisiológico é descrito como um conjunto de alterações nas funções orgânicas e mentais devido aos efeitos da idade sobre o organismo, resultando na perda da capacidade de manutenção do equilíbrio homeostático, de modo que as funções fisiológicas começam a declinar de maneira gradual (VALIM-ROGATTO et al., 2010).

O idoso também está exposto, com maior probabilidade, a aquisição de doenças crônico-degenerativas, tal como doença de Parkinson. Essa patologia é reconhecida como uma das mais prevalentes entre os idosos, acometendo principalmente o sistema motor (RODRIGUES et al., 2010).
Cabe destacar que uma das maiores necessidades dos idosos é o equilíbrio funcional, pois possibilita que o mesmo desenvolva suas atribuições com desenvoltura, contribuindo para independência, mobilidade, e qualidade de vida (ALMEIDA; PAVAN, 2010).

Por causa disto o treinamento sensório-motor é essencial para o equilíbrio funcional dos idosos. A expressão sensório-motor foi criada para descrever as integrações sensoriais e motoras, bem como as estruturas envolvidas na manutenção da integridade das articulações durante os movimentos corporais e a manutenção da postura (ALENCAR et al., 2011).

Nesse contexto, o método Pilates tem sido utilizado para atender determinadas demandas dos idosos relacionadas à saúde, qualidade de vida e prevenção de doenças. (GONÇALVES; ÂNGELO; MARTINS, 2009).



Esse método vem sendo utilizado no sentido de promover a melhoria do equilíbrio funcional em idosos. Isso porque os exercícios são essenciais na terapia adotada para diminuição da dor, melhoria na mobilidade, e até mesmo na incapacidade do paciente, e também para melhoria da capacidade respiratória (LOPES; RUAS; PATRIZZI, 2014).

Segundo Tozimet al., (2014), os exercícios baseados no método Pilates possuem resultados positivos para redução da dor lombar, hérnia de disco, problemas musculoesqueléticos, uma vez que atuam na redução da dor, promovendo melhoria no condicionamento físico. Esse método pode ser utilizado no tratamento dos idosos, e também na promoção do equilíbrio funcional.

Aparício e Pérez (2014) relatam que os exercícios baseados no método Pilates dispõem de resultados positivos, o que implica na necessidade de sua incorporação na abordagem de idosos a fim de melhorar o equilíbrio funcional, levando-se em consideração que os efeitos terapêuticos proporcionados são variados, desde que os exercícios sejam adequados as peculiaridades de cada um.
Nesse sentido, surge a seguinte problemática: quais as principais contribuições do método Pilates para o equilíbrio funcional dos idosos? O presente estudo tem como objetivo caracterizar as principais contribuições do método Pilates para melhoria do equilíbrio funcional em idosos.
Trata-se de uma revisão de literatura, e se justifica tendo em vista a atualidade desta temática, levando em consideração a necessidade de novas abordagens acerca do método Pilates para melhoria do equilíbrio funcional em idosos.

MATERIAIS E MÉTODOS

O presente estudo é do tipo exploratório, com pesquisa bibliográfica. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura. A utilização da revisão de literatura integrativa consiste numa análise da literatura a respeito da temática abordada, selecionando dentro de critérios pré-estabelecidos os estudos mais relevantes, de modo a propiciar o conhecimento principal do assunto, de forma sintética e objetiva. Essa pesquisa foi desenvolvida através de revisão de estudos científicos obtidos nas bases de dados eletrônicas Scielo e Lilacs, e pesquisa manual em biblioteca.
A pesquisa teve os seguintes critérios de inclusão: estudos publicados no período de 2009 a 2015, que abordaram temática em questão, que apresentaram os textos completos, ou algum tema correlato à temática abordada. Já como critérios de exclusão, foram: estudos repetidos e que não estavam relacionados com o tema em questão ou algum tema correlato.

DISCUSSÃO

Ao longo deste estudo foi possível verificar que é possível vivenciar o processo de envelhecimento de maneira saudável, plena, com qualidade de vida, desde que o indivíduo mantenha os cuidados necessários para o seu bem estar. É sabido que o processo de envelhecimento é variável, com efeitos diferenciados de uma pessoa para outra. Além dos fatores genéticos do indivíduo, o estilo de vida tem um papel fundamental (ALMEIDA; PAVAN, 2010).

Nesse contexto, o método Pilates vem sendo utilizado como um instrumento para melhoria da qualidade de vida, pois sua prática regular é um fator indispensável tanto para promoção de saúde quanto para prevenção de doenças relacionadas ao envelhecimento, atuando de maneira satisfatória no sistema sensório-motor (FARIA; FARIA, 2013).

Isso porque a prática dos exercícios contribui para melhoria da mobilidade, disposição, bom humor, podendo ser refletido tanto nos aspectos físicos quanto nos psicossociais, devendo este ser utilizado em conformidade com as necessidades e particularidades de cada idoso (CIVINSKI; MONTIBELLER; BRAZ, 2011).

Segundo Moraes, Moraes e Silva (2010) o idoso que mantém uma prática regular de exercícios físicos diminui os riscos de quedas e fraturas, contribuindo também para melhoria do equilíbrio.

A atividade física proporciona ao idoso melhor controle acerca da hipertensão arterial, osteoporose, artrite, depressão, dentre outras patologias. Além disso, os exercícios físicos contribuem na diminuição da taxa de gordura corporal, aumentando a força muscular (ROSA; LIMA, 2009).

O idoso que pratica o método Pilates com regularidade tende a diminuir os níveis de triglicerídeos, reduzindo a pressão arterial, aumentando à sensibilidade das células a insulina, a massa muscular, reduzindo a perda mineral óssea (MIYAMOTO; COSTA; CABRAL, 2013).

A prática de exercícios do método Pilates, principalmente os de ordem aeróbica, os de impacto, exercícios de peso e resistência, podem contribuir para qualidade de vida, mobilidade e bem estar do idoso, sendo efetuados de forma moderada e em conformidade com as condições clínicas e físicas dos idosos (RODRIGUES et al., 2010).

O idoso que mantém a prática de exercícios físicos regular consegue ter uma vida social ativa, uma vez que possui maior mobilidade e facilidade para a execução de tarefas do cotidiano, sem excessiva fadiga, mantendo-se motivado e com energia para desfrutar o tempo livre com lazer e vida social (MONTEIRO; EVANGELISTA, 2012).

Nesse sentido cabe dizer que o idoso precisa melhor suas valências físicas, tornando-o independente, a fim de dispor de condições para realização das tarefas do cotidiano de forma efetiva, promissora e saudável, o que é importante a melhoria do equilíbrio funcional (ALMEIDA; PAVAN, 2010).

Além disso, cabe destacar que o idoso a partir da atividade física mantém níveis de força que contribuem para o estado psicológico, levando-se em consideração que o fator psicossocial tem grande importância no quadro clínico do idoso (DA FONSECA; MAGINI; DE FREITAS, 2009).
Nessa perspectiva é oportuno enfatizar que a maioria dos casos de incapacidade física está ligada a fraqueza muscular. Isso porque a inatividade física resulta na diminuição das valências, o que resulta num déficit de condicionamento funcional, prejudicando a execução de tarefas diárias (MARÉS et al., 2012).

Devido aos benefícios proporcionados pelo método Pilates durante o processo de envelhecimento, há o aumento promissor acerca do trabalho com idosos em programas com Pilates em academias, ONGs, centros recreativos, centros de convivência, tendo em vista suas contribuições no sistema sensório-motor (SIQUEIRA et al., 2009).

Esses programas de atividades físicas direcionados aos idosos têm como finalidade a melhoria da qualidade de vida, da mobilidade física e do ânimo, de modo que possa desenvolver atividades em seu cotidiano de forma autônoma, com intensa vida social, usufruindo de todos os benefícios físicos, sociais e psicológicos proporcionados pelo Pilates (MORAES; MORAES; LIMA, 2010).

Além disto, ajuda no processo de manutenção da composição corporal e do tônus muscular, melhorando os movimentos, a força muscular, e a capacidade aeróbia, diminuindo os efeitos relativos ao processo de envelhecimento (VASCONCELOS et al., 2014).

Nessa perspectiva, é possível assegurar que este método é essencial para melhoria da qualidade de vida, uma vez que proporciona uma série de benefícios para o idoso em seu sistema sensório-motor, sendo este um ponto convergente em toda literatura a respeito desta temática (WAJSWELNER; METCALF; BENNELL, 2012).

Segundo Miranda e Morais (2009), além de atuar no tratamento desta disfunção na coluna lombar, na hérnia de disco, em problemas musculoesqueléticos, o Pilates proporciona benefícios para saúde, melhor condicionamento físico, flexibilidade, postura, entre outros fatores essenciais para qualidade de vida.

Esse ponto é convergente na presente revisão, pois todos os estudos ressaltam que o Pilates além de sua importância na terapêutica, proporciona para o paciente uma série de benefícios na mobilidade, flexibilidade, uma vez que se trata de uma técnica baseada na cultura oriental e ocidental (TOZIMet al., 2014).

Além disto, cabe ressaltar que o método é norteado por princípios, e são concebidos como pontos fundamentais para o seu desenvolvimento, os quais são: a concentração, consciência, controle, centralização, respiração e movimento harmônico (NUNES JÚNIOR et al., 2009).

Os exercícios são realizados de forma dinâmica, englobando exercícios de contrações musculares, isométricas e também isotônicas. A prescrição deve ser direcionada para cada paciente, e, para potencializar os efeitos positivos desta técnica deve ter seus exercícios adaptados para cada caso, buscando sempre priorizar a necessidade de cada um (CURNOW et al., 2009).

Wells et al., (2014) concordam com a dinâmica proporcionada por este método, e asseguram que a adaptação da técnica de Pilates para cada paciente é essencial, pois possibilita centralizar os benefícios na prevenção de problemas, lesões e patologias que podem ser evitadas.

O método Pilates proporciona resistência muscular e atua diretamente na diminuição da dor, o que é essencial para que o idoso consiga avançar clinicamente, diminuindo o impacto em sua qualidade de vida, possibilitando maior equilíbrio funcional (COMUNELLO, 2011).

Quinn, Barry e Barry (2011), concordam que o Pilates atua diretamente na dor resultante de uma série de problemas na coluna, lesões, agravos musculoesqueléticos, uma vez que vários estudos apontam para os efeitos positivos nesse sentido. Isso ocorre porque trabalha a respiração associada à contratação da musculatura central do corpo, uma vez que grande parte de seus exercícios podem ser realizados na posição deitada, o que é responsável por gerar menor impacto e maior estabilidade para coluna lombar (SINZATO et al., 2013).

Dessa forma, é essencial também a redução da tensão muscular, sendo esse um ponto convergente na amostra da literatura pesquisada, pois essa técnica atua tanto como terapêutica quanto como medida preventiva, uma vez que ajuda na prevenção de doenças, e problemas musculoesqueléticos (TOZIM et al., 2014).

Cabe ressaltar que a diminuição da tensão muscular promove um ganho essencial para o idoso, pois ajuda na qualidade de vida, evitando assim o aparecimento de novas lesões e, também o agravamento da situação clínica em que se encontra, contribuindo de maneira satisfatória para estabilidade do sistema sensório-motor (QUEIROZ et al., 2010).

A importância do método Pilates para o tratamento de problemas na mobilidade do idoso consiste em proporcionar ao idoso a obtenção de força, controle, potência e resistência muscular, o que resultaria em uma melhor estabilização da coluna vertebral, principalmente da região lombar (KAWANISHI et al., 2011).

A estabilização da coluna vertebral do idoso pode ser obtida por meio dos avanços proporcionados pelo Pilates, pois alguns exercícios contribuem para ativação de músculos da região lombo-pélvica, com ênfase na sua estabilização. Neste fortalecimento muscular, uma série de lesões é prevenida de maneira efetiva, o que proporciona o desenvolvimento de atividades no cotidiano (SILVA; MANNRICH, 2009).

O ganho de força pode contribuir para restaurar a função da colunar lombar, o que resultaria melhor desempenho motor, alinhamento postural do tronco, e amplitude dos movimentos e maior equilíbrio. Ademais, os idosos que são submetidos a esta técnica desfrutam de ganhos significativos em outros fatores, quando comparados com outros tipos de terapêuticas adotadas, o que implica na necessidade da utilização desta técnica pelo fisioterapeuta (RYDEARD; LEGER; SMITH, 2012).

Segundo Pereira et al., (2012), além dos benefícios já ressaltados, a prática regular também ajuda no processo de restabelecimento dos espaços intervertebrais por meio do fortalecimento e alongamento dos grupos musculares, resultando na possibilidade de maior proteção dos discos intervertebrais bem como o alinhamento da postura adequada.

Além disso, ajuda na de maneira promissora no processo de manutenção da composição corporal e do tônus muscular, uma vez que sua prática resulta na melhoria da execução dos movimentos, da força muscular, e da capacidade aeróbia, diminuindo os efeitos relativos ao processo de envelhecimento (COSTA; ROTH; NORONHA, 2012).

Nessa perspectiva, é possível assegurar que Pilates é essencial para melhoria do sistema sensório-motor do idoso, uma vez que proporciona uma série de benefícios para todos os seus praticantes e, em caso de terapêutica, deve ser conduzido pelo fisioterapeuta, de modo que o idoso não venha sofrer com qualquer tipo de sobrecarga de exercícios (GALLAGHER; KRYZANOWSKA, 2014).

Limet al., (2011), asseguraram que o método Pilates tem seus benefícios comprovados em vários achados clínicos, o que é algo convergente na amostra pesquisada, e que cabe adaptar os exercícios do Pilates de acordo com as condições clínicas e a capacidade de cada idoso em executar os exercícios propostos, de modo que os efeitos positivos sejam potencializados durante a prática regular.

Lee, Hyun e Kim (2014), concordam com os benefícios do Pilates e a necessidade de adaptação dos exercícios para cada idoso, de modo que os resultados desta técnica sejam bastante satisfatórios. Sendo esse também um ponto convergente na amostra da literatura pesquisada.

Além disto, atua também na promoção da saúde corporal, pois além dos fatores ressaltados ao longo desta discussão, é possível perceber também que os exercícios são responsáveis por ativar a circulação a partir do aquecimento tecidual e neuromuscular (ARAÚJO et al., 2010).

O que faz ser essencial na promoção do ganho de força por intermédio do alongamento muscular restaurador do potencial contrátil. E também, contribui de maneira efetiva no processo de melhoria do retorno venoso, da capacidade ventilatória, na postura, reduzindo também o estresse (CURI, 2009).

Segundo Phrompaetet al., (2011) os exercícios geralmente são executados na posição deitada, o que há redução na diminuição dos impactos nas articulações de sustentação do corpo na posição ortostática e, principalmente, na coluna vertebral. Isso possibilita a recuperação das estruturas musculares, articulares e também dos ligamentos.

Segundo Mouraet al., (2014) o método de Pilates vem sendo utilizado como uma técnica no âmbito da fisioterapia que atua na reabilitação de disfunções diversas, uma vez que é uma técnica que promove a estabilização do tronco, ajudando na melhoria das relações entre os músculos, servindo também na prevenção de agravos e no tratamento de problemas diversos, contribuindo de maneira satisfatória para melhoria do sistema sensório-motor.

Nesse sentido pode ser utilizado no processo de reabilitação do paciente, uma vez que se baseia em princípios específicos, já citados. (POSADZKI; LIZIS; HAGNER-DERENGOWSKA, 2011).

Os exercícios que compõem este método controlam o abdômen, ajudando na estabilização da pelve, alongando e fortalecendo os membros, tanto superiores quanto inferiores, sendo este um ponto consensual na amostra da literatura avaliada (VASCONCELOS et al., 2014).

Isso porque suas técnicas envolvem contrações concêntricas e excêntricas, dando ênfase no centro da força. Assim, é possível realizar a reabilitação e também a melhoria do condicionamento físico, a partir de exercícios realizados tanto no solo quanto em aparelhos específicos dotados de molas com diferentes resistências (GONÇALVES, ÂNGELO, MARTINS, 2009).

Além disso, os exercícios que também ajudam na melhora do condicionamento físico geral, na flexibilidade, amplitude muscular e melhor alinhamento postural (DA FONSECA, MAGINI, DE FREITAS, 2009).
Segundo Limet al., (2011) devido aos benefícios gerais proporcionados pelo método de Pilates é que este vem sendo utilizado no âmbito da fisioterapia, pois não serve apenas como terapêutica, mas também na prevenção de problemas e no agravamento clínico do idoso, tendo em vista também que promove melhorias nos níveis de consciência corporal, coordenação motora e controle muscular.
Os benefícios da atividade física para o idoso são algo consensual na literatura e, o método Pilates encontra-se entre os instrumentos que podem ser utilizados no sentido de proporcionar benefícios aos idosos, pois há vários achados clínicos que comprovam sua eficácia, e os benefícios no sistema sensório motor (VASCONCELOS et al., 2014).

Dessa forma, é essencial a diminuição da dor e a tensão muscular, o que pode ser conseguido pelos recursos proporcionados pelo Método Pilates, sendo esse um ponto convergente na amostra da literatura pesquisada, pois são evidentes os benefícios dessa técnica para o idoso, tanto como terapêutica quanto como medida preventiva. A diminuição da tensão muscular promove um ganho essencial para o idoso em qualidade de vida e também na mobilidade, evitando assim o aparecimento de lesões, com ganhos evidentes no equilíbrio funcional do idoso (TOZIM et al., 2014).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao longo deste estudo foi possível identificar que o método Pilates pode ser utilizado na melhoria do sistema sensório-motor, uma vez que contribui de maneira efetiva para o equilíbrio funcional do idoso. Isso porque atua no tratamento da dor, na prevenção de lesões, pois os exercícios atuam no ganho de força e resistência, melhoria do padrão de respiração, melhor alinhamento postural, facilitando a flexibilidade, mobilidade, estabilização da coluna e amplitude do movimento.

Nesse sentido, cabe destacar que é preciso que os exercícios sejam adaptados as características gerais e de saúde de cada idoso, levando em consideração as peculiaridades envolvidas, de modo que os benefícios no sistema sensório-motor sejam potencializados.

Foi identificado também que o método Pilates é mais eficaz do que outros métodos de intervenção mínima para melhoria da dor, e também para incapacidade em curto prazo. Dessa forma, os exercícios do método podem ser recomendados para melhora da dor e incapacidade, proporcionando qualidade de vida e melhor condicionamento físico para os idosos.

Diante do exposto, foi possível responder a problemática em questão e atingir o objetivo estabelecido por este estudo, apontando para necessidade de novas abordagens a fim de aprofundar o conhecimento acerca dos benefícios proporcionados para os idosos em termos de equilíbrio funcional e maior estabilidade no sistema sensório-motor.

REFERÊNCIAS

ALENCAR NA, FERREIRA MA, GRAUP S, DANTAS EHM. Perfil do nível de atividade física e autonomia funcional de idosas. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 8, n. 1, p. 21-28, jan./abr. 2011.
ALMEIDA MAB, PAVAN B. Os benefícios da musculação para a vida social e para o aumento da autoestima na terceira idade. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 2, n. 2, p. 9-17, jul./dez. 2010.
APARÍCIO E, PÉREZ J. O Autêntico Método Pilates – A Arte do Controle. Editora Planeta do Brasil: São Paulo, 2014.
ARAÚJO MEA, SILVA EB, VIEIRA PC, CADER AS, MELLO DB, DANTAS EHM. Redução da dor crônica associada à escoliose não estrutural, em universitárias submetidas ao Método Pilates. Motriz, Rio Claro, v.16 n.4 p.958-966, out./dez. 2010.
CIVINSKI C, MONTIBELLER A, BRAZ ALO. A importância do exercício físico no envelhecimento. Revista da Unifebe; 9 (jan/jun), p. 163-175, 2011.
COMUNELLO JF. Benefícios do Método Pilates e sua Aplicação na Reabilitação. Instituto Salus, maio/jun, 2011.
COSTA LMR, ROTH A, NORONHA M. O Método Pilates no Brasil: uma revisão de literatura. ArqCatarin Med; 41(3): 87-92, 2012.
CURNOW D, COBBIN D, WYNDANN J, BORIS, CHOY ST. Altered motor control, posture and the Pilates method of exercise prescription. J BodywMovTher; 13 (1): 104-11, 2009.
CURI VS. A influência do método Pilates nas atividades de vida diária de idosas. [Dissertação de mestrado]. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.
DA FONSECA JL, MAGINI M, DE FREITAS TH. Laboratory gait analysis in patients with low back pain before and after a Pilates intervention. J Sport Rehabil; 18 (2): 269-82, 2009.
FARIA MBM, FARIA WC. O efeito do método Pilates no tratamento da dor lombar crônica inespecífica: uma revisão de literatura. Conexão cir. cient. UNIFOR-MG, Formiga, v. 8, n. 1, p. 75-84, jan./jun. 2013.
GALLAGHER S, KRYZANOWSKA R. Método Pilates de Condicionamento Físico. São Paulo: The Pilates Studio do Brasil, 2014.
GONÇALVES M, ÂNGELO R, MARTINS P. Aspectos clínicos e morfofuncionais da casa de força no método Pilates. Fisioterapia Brasil, v. 1, n. 1, p. 54-58, 2009.
KAWANISHI CY, OLIVEIRA MR, COELHO VS, PARREIRA RB, OLIVEIRA RF, SANTOS CF, SILVA RA. Efeitos dos exercícios pilates na função do tronco e na dor de pacientes com lombalgia. RevistaTerapia Manual; 9 (44):410-417, 2011.
LEE CW, HYUN J, KIM SG. Influence of Pilates Mat and Apparatus Exercises on Pain and Balance of Businesswomen with Chronic Low Back Pain.J PhysTherSci; 26 (4): 475–477, 2014.
LIM EC, POH RL, LOW AY, WONG WP. Effects of Pilates-based exercises on pain and disability in individuals with persistent nonspecific low back pain: a systematic review with meta-analysis. J Orthop Sports PhysTher; 41 (2): p. 70-80, 2011.
LOPES EDS, RUAS G, PATRIZZI LJ. Efeitos de exercícios do método Pilates na força muscular respiratória de idosas: um ensaio clínico. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro; 17 (3): p. 517-523, 2014.
MARÉS G, OLIVEIRA KB, PIAZZA MC, PREIS C, NETO BERTASONI L. A importância da estabilização central no método Pilates: uma revisão sistemática. FisioterMov; 25 (2): 445-51, 2012.
MIYAMOTO GC, COSTA LOP, CABRAL CMN. Eficácia do método Pilates considerando dor e incapacidade em pacientes com dor lombar crônica não específica: uma revisão sistemática com metanálise. Braz J PhysTher. Nov-Dec; 17 (6): p. 517-532, 2013.
MIRANDA LB, MORAIS PDC. Efeito do método pilates sobre a composição corporal e flexibilidade. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo, v.3, n.13, p.16-21. Jan/Fev. 2009.
MONTEIRO AG, EVANGELISTA AL. Treinamento funcional: uma abordagem prática. 2° Edição Revista e Atualizada. São Paulo: Phorte, 2012.
MORAES EN, MORAES FL, LIMA SPP. Características biológicas e psicológicas do envelhecimento. RevMed Minas Gerais; 20 (1): 67-73, 2010.
MOURA PMM, SILVA ML, TEIXEIRA LP, YAMADA EF, LARA S. Efeito do método Pilates sobre a escoliose idiopática: estudo de caso. Scientia Medica, 24 (4): 391-398, 2014.
NUNES JÚNIOR PC, TEIXEIRA ALM, GONÇALVES CR, MONNERAT E, PEREIRA JS. Os efeitos do Método Pilates no alinhamento postural: estudo piloto. Fisioterapia Ser, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, p. 210- 215, jul/ago/set. 2009
PEREIRA LM, OBARA K, DIAS JM, MENACHO MO, GUARIGLIA DA, SCHIAVO D. Comparing the Pilates method with no exercise or lumbar stabilization for pain and functionality in patients with chronic low back pain: systematic review and meta-analysis. ClinRehabil; 26 (1): p.10-20, 2012.
POSADZKI P, LIZIS P, HAGNER-DERENGOWSKA M. Pilates for low back pain: a systematic review. Complement TherClin Pract;17 (2): p. 85-9, 2011.
PHROMPAET S, PAUNGMALI A, PIRUNSAN U, SITILERPTSIAN P. Effects of Pilates Training on Lumbo-Pelvic Stability and Flexibility. Asian Journal of Sports Medicine, 2 (1):16-22, 2011.
QUEIROZ BC, CAGLIARI MF, AMORIM CF, SACCO IC. Muscle activation during four Pilates core stability exercises in quadruped position. Arch Phys Med Rehabil; 91 (1):86-92, 2010.
QUINN K, BARRY S, BARRY L. Do patients with chronic low back pain benefit from attending Pilates classes after completing conventional physiotherapy treatment? PhysiotherapyIreland; 32 (1): 5-12, 2011.
RODRIGUES BGS, CADER AS, TORRES NVOB, OLIVEIRA EM, DANTAS EHM. Autonomia funcional de idosas praticantes de Pilates. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.17, n.4, p.300-5, out/dez.2010.
ROSA HL, LIMA JRP. Correlação entre Flexibilidade e Lombalgia em Praticantes de Pilates. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 17, n. 1, p. 64-73. 2009.
RYDEARD R, LEGER A, SMITH D. Pilates-based therapeutic exercise: effect on subjects with nonspecific chronic low back pain and functional disability: a randomized controlled trial.J Orthop Sports PhysTher. Vol. 36, Num. 7, p. 472-84. 2012.
SILVA ACLG, MANNRICH G. Pilates na reabilitação: uma revisão sistemática. FisioterMov; 22 (3): 449-55, 2009.
SINZATO CR, TACIRO C, ARAÚJO C, TOLEDO AM, CARDOSO JR, CARREGARO RL. Efeitos de 20 sessões do método Pilates no alinhamento postural e flexibilidade de mulheres jovens: estudo piloto. FisioterPesq, 20 (2):143-150, 2013.
SIQUEIRA RODRIGUES BG, CADER AS, OLIVEIRA EM, TORRES NVOB, DANTAS EHM. Avaliação do equilíbrio estático de idosas pós-treinamento com método pilates. R. bras. Ci. eMov; 17 (4): p. 25-33, 2009.
TOZIM BM, FURLANETTO MG, FRANÇA DML, MORCELLI MH, NAVEGA MT. Efeito do método Pilates na flexibilidade, qualidade de vida e nível de dor em idosos. Com Scientiae Saúde; 13 (4): p. 563-570, 2014.
VALIM-ROGATTO PC, ROGATTO GP, CANDOLO C, MACHADO AA, BRÊTAS ACP. Participação de idosos em atividades físicas, sociais, educacionais e em serviços de saúde de centro de convivência: diferenças entre sexos. Coleção Pesquisa em Educação Física, v. 9, n. 3, p. 169-176, 2010.
VASCONCELOS MHO, SILVA RDS, SANTOS SMB, MERLO JRC, CONCEIÇÃO TMA. The Pilates® Method in the treatment of lower back pain.FisioterMov; 27 (3): 459-67, 2014.
WAJSWELNER H, METCALF B, BENNELL K. Clinical Pilates versus general exercise for chronic low back pain: randomized trial. Med Sci Sports Exerc; 44 (7):1197- 205, 2012.
WELLS C, KOLT GS, MARSHALL P, HILL B, BIALOCERKOWSKIi A. The effectiveness of Pilates exercise in people with chronic low back pain: a systematic review. BMC Medical Research Methodology,13 (7):1-12, 2014.




Comente:

Nenhum comentário